•Novembro 26, 2012 • Deixe um comentário

Originally posted on A Troika:

Boa tarde. Queria começar por saudar o Congresso e agradecer o convite para estar aqui. Mas agradecer também aos organizadores do Congresso a existência de um espaço para crianças, o Congressito. Demasiadas vezes, o facto de terem crianças a cargo implica o afastamento das mulheres da vida política, e pequenos passos como este fazem toda a diferença no sentido da inclusão e da igualdade.

E se fui convidada enquanto ativista e subscritora do texto que serviu de convocatória à manifestação de 15 de setembro, queria deixar bem claro três coisas:

1. Não falo em nome dos movimentos sociais, nem sequer aqueles a que pertenço.

2. Ninguém fala em nome de um milhão de pessoas que saiu à rua.

3. Não falo sequer em nome dos 29 subscritores do texto «Que se Lixe a Troika! Queremos as nossas Vidas!», mas em nome individual, como cidadã. Estamos aqui no dia em que…

View original mais 1.610 palavras

pensando na greve

•Novembro 13, 2012 • Deixe um comentário

“A GREVE GERAL é um passo em frente. Ficar à espera para ver o que dá, acreditar que tudo isto é inevitável e não tem solução, descansar no oportunismo endémico do “armemo-nos e vão”, dizer à boca pequena que isto só mudava com um mês de greve, são as couraças dos medos, são os paliativos da inércia, são as expressões do individualismo que sustenta o sistema. Há que derrotar a solidão e partir para a luta com os outros.Quando se luta nem sempre se ganha, mas quando não se luta perde-se sempre.”

Daqui

 

 

Até que um esconjuro nos dava jeitito…

•Outubro 31, 2012 • 1 Comentário

Esconjuro da Queimada Celta

 
 

 E a receita, já agora…

para recitar enquanto a poção arde e antes de servir aos participantes

 
Mouros, corujas, sapos e bruxas.
Demónios, duendes e diabos, espíritos dos nevoeiros.
Corvos, salamandras e meigas, feitiços das curandeiras.
Troncos podres e furados, lugar de vermes.
Fogo das Guerras Santas, negros morcegos,
Cheiro dos mortos, trovões e raios.
Orelha de cão, pregão da morte;
Focinho de rato e pata de coelho.
Pecadora língua de mulher má casada com homem velho.
Casa de Satanás e Belzebu, fogo dos cadáveres ardentes
Corpos mutilados de indescentes,
Peidos de cus infernais
Bramido do mar bravo
Barriga inútil de mulher solteira
Miar de gatos que andam à solta.
Guedelha suja de cabra mal parida.
Com este fole levantarei as chamas deste lume
que se assemelha ao do inferno
E fugirão as bruxas a cavalo das suas vassouras
indo-se banhar na praia das areias gordas.
Oiçam! Oiçam os ruídos que fazem
as que não podem deixar de queimar-se na aguardente
ficando assim purificadas.
E quando este preparo, passar pelas nossas goelas,
ficaremos livres dos males da nossa alma
e de todo o embruxamento.
Forças do ar, terra, mar e lume!
A vós faço a chamada:
Se é verdade que tendes mais força que a humana gente,
aqui e agora, fazei com que os espíritos
dos amigos que estão fora,
participem connosco nesta Queimada!
 

 

Bernardo Sasseti e Mário Laginha

•Maio 14, 2012 • Deixe um comentário

Maio, 1º

•Maio 1, 2012 • Deixe um comentário

 

Tenho já o plano traçado; mas não, hoje não traço planos… Amanhã é o dia dos planos. Amanhã sentar-me-ei à secretária para conquistar o mundo; Mas só conquistarei o mundo depois de amanhã….

 

Álvaro de Campos

25 de Abril

•Abril 25, 2012 • 2 Comentários

Esta é a madrugada que eu esperava

O dia inicial inteiro e limpo

Onde emergimos da noite e do silêncio

E livres habitamos a substância do tempo.

(Sophia de Mello Breyner)

25 de Abril, SEMPRE, claro! Até que tenhamos que ter outra data. Que será o mesmo.

•Abril 25, 2012 • Deixe um comentário
 
Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.