AOS MANDADORES SEM LEI É PRECISO RESPONDER… – Mário Nogueira

 

AOS MANDADORES SEM LEI É PRECISO RESPONDER

COM UMA FORÇA A CRESCER-NOS NOS DEDOS! 

O Estado Social com que Sócrates enche a boca é uma mentira e a culpa é do próprio Sócrates, do Governo que dirige e dos seus aliados à direita, com quem conflitua em público, mas acorda em privado.

O Orçamento de Estado para 2011 é a confirmação do que se afirma. Sócrates corta no essencial e no social, não por não haver dinheiro, mas porque, não esticando o dinheiro, é preciso que jorre para a banca, para as grandes empresas e para os tais mercados que vivem da especulação. Senão vejamos:

– Educação, Saúde e Segurança Social perdem, de 2010 para 2011, cerca de 3.000 Milhões de euros; só para o BPN há mais de 5.000 Milhões de euros;

– A Justiça tem uma redução orçamental de 90,7 Milhões de euros; a Presidência do Conselho de Ministros cresce 36,8 Milhões;

– Milhares de pequenas e médias empresas vão à falência por acumulação de prejuízos; o BCP, entre Janeiro e Setembro de 2010, aumentou os seus lucros em 22%;

– São já mais de dois milhões os portugueses que entraram em estado de pobreza absoluto, sendo que metade das crianças portuguesas aproveitam a escola para comerem uma refeição digna desse nome; em 2009 surgiram em Portugal mais 600 multimilionários;

– A generalidade das empresas portuguesas paga de impostos (IRC e derramas) 26,5%, o que lhes coloca graves dificuldades financeiras e todos os portugueses vão pagar 23% de IVA, mesmo por produtos que são de grande necessidade; a banca paga de impostos 4,3%;

– As parcerias público/privadas, em 2010, custaram ao Estado 275 Milhões de euros; para 2011, o Orçamento prevê que custem 1.705,5 Milhões… há quem calcule que em 2014 já estaremos nos 42.000 Milhões de euros. Estas parcerias resultam da destruição de serviços públicos que, segundo os governantes, eram muito dispendiosos.

Afirma o Primeiro-Ministro que tudo isto é feito para evitar que o FMI se instale em Portugal com as suas medidas. Mas será que as medidas que estão a ser impostas a quem trabalha são menos graves do que as que seriam impostas por aquele famigerado fundo? Serão os tais mercados, que decidem aumentar os juros da dívida pública “porque sim”, mais compreensivos e socialmente preocupados do que o FMI, ou estamos a falar da mesma canalha?

Terão os governantes legitimidade para manifestarem preocupação pela situação para onde, por opção política e incompetência, empurraram Portugal? Não será legítimo, isso sim, que duvidemos da sinceridade com que se nos dirigem? Não teremos toda a razão para desconfiarmos deles quando os vemos a não abrir mão das suas mordomias, onde se incluem as acumuláveis subvenções vitalícias, quando os vemos a saírem da política directamente para a alta roda da finança e das grandes empresas, ou quando surgem suspeitas de tráfico de influências e de eventuais apoios a partidos políticos, vindos de faces que se mantêm ocultas?

É uma sensação de revolta, a que se instala em todos nós e não devemos evitá-la, pelo contrário, é preciso que a fomentemos… a mesma revolta que levou Zeca a falar dos que vêm em bandos, com pés veludo, chupar o sangue fresco da manada; daqueles que são os mordomos do universo todo, senhores à força, mandadores sem lei. Zeca falou dos que comem tudo e não deixam nada. Fê-lo, como outros, com a força a crescer-lhe nos dedos e a raiva a nascer-lhe nos dentes… Há que compreender os poetas que escreveram estas palavras e compreendê-los é, como eles, ir em frente, IR À LUTA!

 

Mário Nogueira

Anúncios

~ por mariazeca em Novembro 4, 2010.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: